Quem lê e escreve, mas não sabe o que lê e escreve, continua analfabeto. Essa é uma frase que um antigo professor de Filosofia costumava repetir na sala de aula durante todo o ensino médio, com o intuito de levar os alunos a uma reflexão: será que o conceito de Alfabetização e Letramento é realmente aplicado com eficiência nas escolas atualmente, tanto pelos educadores quanto por todo o programa de ensino em si? Avaliando de forma preliminar e geral, o investimento em novas práticas para alfabetizar letrando é crescente, com base em políticas governamentais, artigos de especialistas e outros métodos interativos e disponíveis, como o Curso de Alfabetização e Letramento aqui do Foco Educação Profissional.

Tanto essas opções como a disponibilidade de materiais garantem ao professor se informar e atualizar sobre o que é importante e conveniente trabalhar para uma alfabetização eficiente, que esteja cada vez mais ligada ao letramento. Por isso, fatores que agregam e trazem dados interessantes e relevantes são sempre bem-vindos, seja em cursos online, palestras ou atividades práticas, com o objetivo de tornar a leitura e escrita mais atraentes tanto na educação infantil quanto na de jovens e adultos.

Mais do que nunca, os objetivos da alfabetização e letramento precisam estar claros e bem definidos, seja pelos educadores ou por todas as partes interessadas, pois são táticas indispensáveis para educar e transformar a sociedade, formando pessoas mais interessadas, críticas e reflexivas. Neste artigo, preparamos um resumo para que você conheça e busque alternativas para entender de uma vez por todas os conceitos de Alfabetização e Letramento.


O que é e qual a diferença entre alfabetização e letramento?

Muitas pessoas definem alfabetização apenas como o ato de ler e escrever o próprio nome ou fazer um bilhete simples. Se você consegue assinar um documento, já pode ser considerado alfabetizado. Esse processo, porém, vai além disso e mostra que a frase no início do artigo faz muito sentido. É preciso entender claramente o que está fazendo, com interpretação e noção da ação, seja básica ou complexa, compreendendo o que se lê e escreve para não ser considerado um analfabeto. Logo, o conceito popular revela equívocos.

Segundo especialistas, alfabetizar é adquirir o código pleno da escrita e da leitura. O Manual de Alfabetização e Letramento do Ministério da Educação define esse processo teoricamente como o ato de ''grafar e reconhecer letras, usar o papel, entender a direcionalidade da escrita, pegar no lápis, codificar e, principalmente, construir a consciência fonológica (capacidade de estabelecer relações entre sons da fala e sua organização nas palavras – entender a correspondência entre sons e letras, de fonemas e grafemas, perceber unidades menores que compõem o sistema de escrita – palavras, sílabas, letras)''. Já Magda Soares, uma das maiores pesquisadoras do gênero, afirma que ‘’não adianta aprender uma técnica e não saber usá-la’’, ou seja, não basta ensinar apenas a ler a escrever, mas investir em métodos que estimulem os alunos a ir além e tomarem gosto pela prática, formando um pensamento mais humano e compreensivo de tudo o que permeia a sociedade.  

É nesse contexto que vem o papel essencial do letramento. Afinal, o que é letramento? Magda define ainda que ‘’uma criança letrada é uma criança que tem o hábito, as habilidades e até mesmo o prazer de leitura e de escrita de diferentes gêneros de textos, em diferentes suportes ou portadores, em diferentes contextos e circunstâncias. Alfabetizar letrando significa orientar a criança para que aprenda a ler e a escrever levando-a a conviver com práticas reais de leitura”. Sendo assim, o papel dos educadores deve ser manter essas práticas sempre interligadas para que não se constituam sozinhas, pois devem se complementar para um acesso qualitativo ao ensino otimizado, meta da educação tanto do país quanto de todo o mundo. 

Hoje em dia, mesmo com a democratização dos meios de comunicação e o acesso à informação disponível na internet, muitas pessoas ainda sentem dificuldade na interpretação e compreensão de textos básicos. Outra problemática é a gramática ruim e pouco desenvolvida, ponderada justamente por essa facilidade dos meios digitais e pouca necessidade de se escrever de forma impecável, porém, o que se observa são erros graves e, pior que isso, a pouca noção e percepção dessas falhas. Logo, o letramento visa transformar o conceito de alfabetização e mostrar estímulos e técnicas diversos para que o aluno não torne-se apenas ‘’alfabetizado’’. Mais do que nunca, o básico não é suficiente para a construção de uma sociedade pensadora e que consiga refletir sobre os problemas que assolam a todos e precisam de discussão e solução.

Muitos especialistas afirmam que o letramento pode se antecipar à alfabetização (considerando o padrão básico de leitura e escrita da escola) em muitos casos. Uma criança que está inserida em um ambiente de artes, leitura e escrita já acompanha diversos códigos e está estimulada a aprender, ou seja, se a mãe mostra um livro de gravuras, lê uma história, leva o filho para um museu e mostra a ele novas perspectivas de linguagem de mundo, está contribuindo para um letramento que será aperfeiçoado e definido claramente assim que alfabetização básica começar. A técnica é justamente essa, de inspirar e incitar o indivíduo desde pequeno a conhecer novas perspectivas, por mais que ele ainda não desenvolva o procedimento de escrita e leitura que terá acesso quando começar a estudar.

Tanto quanto formar pessoas mais críticas, o investimento em atividades de apoio são fundamentais, bem como meios informativos e atualizados para os educadores. Opções e táticas não faltam, como o curso de Alfabetização e Letramento, um texto para alfabetização com informações detalhadas, livros do gênero (autoras como Magda Soares, Emilia Ferreiro e Ana Teberosky são as mais indicadas), campanhas governamentais, cursos online, entre outros métodos disponíveis em meios físicos e digitais.

Alfabetização e Letramento na educação infantil

Os conceitos de Alfabetização e Letramento na educação infantil são primordiais para todas as crianças que iniciam o período escolar. Alfabetizar letrando exige que desde cedo os pequenos sejam incentivados a gostar e aprimorar as práticas de leitura e escrita, tornando-se mais interessados em atividades e métodos de inspiração inerentes a uma boa educação. O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, por exemplo, é um programa do governo federal em parceria com todos os estados e municípios, que tem como objetivo principal a alfabetização de todas as crianças até 8 anos de idade ao final do ensino fundamental. Essa campanha considera que o aluno tenha noções básicas de português e matemática e passe por avaliações anuais para verificação do cumprimento da meta.  

Embora seja uma estratégia fundamental e necessária, maiores estímulos também são necessários e consideram o papel tanto da escola e seus gestores quanto da família. Pensar em alfabetização e letramento na educação infantil é um processo de todos os âmbitos sociais. Não adianta o professor investir em conhecimento, texto para alfabetização e atividades interativas se em seu ambiente familiar a criança não recebe apoio. Logo, não vale exigir apenas de um lado quando sabemos que somente uma junção de fatores contribui para melhores resultados.

Em um ambiente escolar, os educadores devem sempre pensar em como proporcionar à criança métodos qualitativos para que ela desenvolva o exercício das práticas sociais de leitura e escrita. O professor está lidando com um meio em que há inúmeras diferenças, por isso, a percepção de focos de trabalho é uma técnica preliminar para identificar cada ponto a ser melhorado. Algumas crianças já têm noção de letramento, outras não sabem dominar códigos básicos. Por isso, para chegar a um ponto de equilíbrio, é necessário pensar em cada necessidade e como ela pode ser solucionada, para alfabetizar letrando de modo realmente efetivo.

Segundo o Caderno do Educador de Alfabetização e Letramento do Ministério da Educação, existem inúmeros processos que podem ser feitos, considerando um ciclo que é integrado por ambiente, atividades significativas, capacitação, autoestima, intervenções e diagnósticos. Quando se refere às atividades, um dos principais meios desse processo, você pode usar jogos, brincadeiras, desenhos, música, cartas, figuras ilustrativas, entre outros recursos. Outra alternativa interessante e que vale a pena conhecer é o Curso Online Alfabetização Infantil, entre outros métodos de ensino à distância que podem ser feitos rapidamente e em casa para mais conhecimento nessa gestão.

Assim, com a noção exata de o que é letramento e dos pontos que podem ser melhorados, bem como a participação ativa da família, os objetivos e atividades de Alfabetização e Letramento tornam-se realmente satisfatórios, mostrando que uma boa base garante a formação crescente para que, desde pequeno, o indivíduo tenha prazer em conhecer os símbolos que mais chamam atenção e que sejam plenamente dominados conforme seu grau de aprendizado e maturidade. 

É importante salientar que não são apenas os docentes podem procurar novas maneiras de se atualizar sobre o assunto. O Curso Online Alfabetização e Letramento é indicado também pelos pais e todas as pessoas que buscam maneiras de estimular crianças a tornaram-se mais do que meros sujeitos alfabetizados, afinal, quando mais letrados, mais aumentam as chances de sucesso em diversas etapas da vida, como o campo profissional, tão valorizado hoje em dia.

Alfabetização e Letramento na EJA – Educação de Jovens e Adultos

Se na educação infantil o processo parece mais fácil por lidar com pessoas em formação, como lidar com a Alfabetização e Letramento na EJA, com indivíduos que já têm experiência de vida e mais dificuldade em assimilar os conteúdos? Muitos adolescentes e adultos decidem voltar a estudar por diversos motivos, grande parte buscando qualificação básica para se adequar ao mercado de trabalho. Atualmente, todas as funções exigem o ensino médio completo, sendo primordial para muitas pessoas terminar esse ciclo ou, então, começá-lo, no caso de quem não tem noção nenhuma e não sabe nem escrever o próprio nome.

Também é importante deixar claro que os adolescentes e adultos que voltam à escola carregam também o peso da discriminação, tratados muitas vezes com descaso por parte de empresas, corporações e até pessoas de sua convivência. Logo, levar mais dignidade, ética e cidadania para a vida desses indivíduos é um desafio e meta para todos os educadores, que não devem apenas trabalhar com um mero texto para alfabetização no objetivo cumprir o dever de ensinar, mas ir além realizando um trabalho satisfatório, pouco genérico e com bons resultados, seja em curto ou longo prazo.

Diante disso, a proposta e os conceitos da Alfabetização e Letramento não se tratam apenas de ensinar a esse público a assinar um documento, e sim, entendê-lo, por isso essa técnica é essencial e, tanto quanto na abordagem infantil, deve ser inserida na Educação de Jovens e Adultos. Podemos fortalecer esse argumento com a última pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que revela a taxa de analfabetismo no Brasil das pessoas de 15 anos ou mais. Em 2014, correspondeu a 8,3% da população, sendo 8,6% homens e 7,9% mulheres. Como o estudo mede apenas a ''alfabetização relevante'', aquela de escrever um simples bilhete e entender basicamente de escrita e leitura, a reflexão que vale é como o letramento pode ser ainda mais útil para contornar essa situação e trazer mais conhecimento para eles.

Especialistas revelam que a abordagem deve ser diferenciada nesse público, avaliando cada aluno e suas dificuldades específicas. As atividades de Alfabetização e Letramento na EJA e os materiais mudam bastante e revelam outros focos. Você pode ver em palestras, cursos EAD, artigos e pesquisas do gênero que é preciso focar naquilo que é comum no universo adulto para promover tarefas como estímulo à leitura e escrita. O Programa Brasil Alfabetizado, do Ministério da Educação, também é uma alternativa, com um manual de orientações disponível com muitas informações interessantes para ajudar os profissionais da área; assim como o Curso Online Alfabetização de Jovens e Adultos e demais cursos online.

Os certificados do Foco Educação Profissional podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Dentre as principais práticas, atividades com música e textos próximos à realidade da pessoa sempre agregam e despertam interesse. No primeiro caso, pode-se usar diversas canções como códigos de interpretação para descobrir novas palavras, termos e contextos. A variedade só ajuda! Já a outra parte do conteúdo pode ser divulgada para instigar a resolução de pequenos problemas cotidianos. Para isso, dá para usar bulas de remédio, formulários, cartas, rótulos e embalagens, jornais, livros de contos e de fácil leitura e, em alguns casos, até a internet e seus atributos infinitos. Nessa diversidade, um docente que sabe o que é letramento e como trabalhá-lo lado a lado com a alfabetização conseguirá tirar o melhor de seus alunos. 

Assim, cada passo torna-se valioso e gera ainda mais interesse. Mais do que escrever o próprio nome, a pessoa pode ser encorajada a alçar voos mais altos, como ler um livro inteiro (por mais pequeno e básico que seja), interpretar uma música, escrever uma carta para um ente querido, entre outras etapas que só trazem ganhos. É bom salientar que a cada conquista a pessoa entende a importância da Alfabetização e Letramento em sua vida e se sente capaz de aprender mais. O conhecimento nos deixa mais seguros, felizes e prontos para desbravar novos horizontes!

Capacite-se: curso de alfabetização e letramento

Mais do que nunca, o termo alfabetizar letrando deve ser base para a educação de excelência que buscamos no Brasil. Quem é docente ou pretende trabalhar nessa área precisa entender desde cedo o quanto é importante fazer a diferença na vida das pessoas, e não ser apenas mais um professor que não deve ser lembrado. Por isso, se informar e qualificar são passos iniciais para alcançar os objetivos e tornar-se um profissional disposto a ensinar e, claro, aprender sempre.

Essa foi apenas uma abordagem geral para que você entenda o papel, conceitos e atividades de Alfabetização e Letramento na escola e na sociedade em si, bem como seus objetivos e desafios. No curso de Alfabetização e Letramento você tem mais informações, metodologias e uma série de conteúdos e atividades complementares que garantem a especialização nessa técnica, indicada para todos os profissionais de educação, estudantes e demais pessoas interessadas no assunto. A ideia é nunca deixar de se atualizar e, felizmente, temos muitos instrumentos para isso, seja com cursos presenciais, EAD, pesquisas, artigos, gráficos, entre outros.

Não basta apenas ler e escrever, é preciso entender, compreender, refletir, problematizar e dar voz ao pensamento crítico, só assim deixamos de ser totalmente analfabetos e nos tornamos cidadãos mais humanos e dispostos a mudar a realidade e problemas sociais.

O que achou do artigo? Deixe um comentário e conte suas impressões e opiniões. Até mais!