Pensar em salvar vidas é o principal objetivo de quem atua na área da saúde e, contar com o auxílio da sociedade para essa missão, é ainda mais inspirador. Um dos maiores e melhores métodos que retrata essa relação é a doação de sangue, uma ação que ajuda muitas pessoas com diversas enfermidades a se recuperar e voltar ao estado normal de saúde.

Embora seja um ato nobre, ainda há muita falta de informação quando se trata de doar sangue, como mitos que não fazem sentido e verdades que precisam ser divulgadas para toda a população e dominadas pelos atuantes ou ingressantes do setor da saúde em geral: enfermeiros, médicos, estudantes, entre outros interessados. Para deixar tudo claro, tanto o governo quanto diversas entidades disponibilizam materiais e dados. Além disso, cursos online do gênero também visam capacitar com guias atualizados e sobre tudo que permeia o assunto.  

O Curso Online Qualidade e Eficiência na Coleta de Sangue, do Foco Educação Profissional, é uma dessas opções direcionadas que abordam todo o tema em si, da definição até termos específicos para auxiliar especialistas e pessoas que querem (e precisam) aprender sobre os requisitos para doar sangue. Pensando nesse contexto, este artigo vai tirar algumas dúvidas gerais, abordando as principais questões, com perguntas e respostas sobre doação de sangue. Acompanhe e surpreenda-se! 

Primeiramente, alguns dados interessantes

Doar sangue não é tão complexo quanto parece. Embora seja preciso se atentar a alguns pontos, é uma ação que só gera benefícios para um paciente que pode ser curado de diversas doenças e eventos que o fizeram esperar por uma transfusão.

Mas, mesmo considerado um procedimento nobre, ainda está longe de alcançar um status ideal, sobretudo aqui no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde, apenas 1,9% da população do país doa sangue com frequência, um número que, em perspectivas atuais, deveria ser de 3%. Para se ter ideia, está abaixo de muitos países da América Latina, como Argentina, Cuba e Uruguai. 

Já de acordo com uma pesquisa da ONU (Organização das Nações Unidas) divulgada pela BBC, por aqui seis em cada dez doadores são voluntários, enquanto o restante é formado apenas por doadores de reposição, aqueles que só realizam o processo quando uma pessoa próxima (amigo ou parente) precisa de sangue.

Atualmente, a meta do Ministério da Saúde é alcançar 2,3% de doadores frequentes até 2020. Para isso, o órgão investe em uma série de campanhas que, além de conscientizar, visam informar muitos indivíduos que não sabem noções gerais dessa prática. Esse é visto como o melhor caminho para que os bancos de sangue não fiquem escassos e muitas vidas sejam salvas. Portanto, esclarecer tudo é fundamental, tanto com manuais oficiais quanto com outras opções interessantes, como os cursos à distância, que contam com métodos de aprendizado eficientes e diretos para todos que querem saber tudo sobre esse assunto.  

Quais os requisitos para doar sangue? 

Talvez um dos maiores desafios para que mais pessoas comecem a se atentar e aderir a esse processo seja os requisitos para doar sangue. É preciso se encaixar em um perfil básico e passar por uma entrevista preliminar antes de começar a coleta, para que tudo seja feito com eficácia e segurança. Dentre as exigências, o interessado precisa:

 

 

  • Ter entre 16 e 69 anos, sendo que os menores de idades precisam estar sempre acompanhados dos pais e os maiores de 65 anos só podem doar sangue caso já realizaram esse procedimento anteriormente;
  • Estar em condições excelentes e ‘’normais’’ de saúde e descanso, além de bem alimentado antes da transfusão de sangue;
  • Pesar exatamente ou mais de 50 quilos; 
  • Ter documento de identificação em mãos (RG com foto) para realizar um cadastro e passar por triagem e entrevista antes da prática;
  • Não ter tido hepatite após os dez anos de idade, não ter doenças crônicas ou que são transmitidas pelo sangue (como doença de Chagas e AIDS), estar livre de anemia, resfriados e similares, não estar grávida ou amamentando e não ter feito tatuagem/piercing um ano antes da doação.

 

Essas são as principais regras para doar sangue descritas em todos os periódicos e divulgados amplamente para a população em si. Em todo caso, é primordial lembrar que somente a triagem clínica feita pelos profissionais do hospital avaliará se a pessoa está apta ou não para o procedimento. Essas etapas preliminares são fundamentais para que o contemplado receba componentes sanguíneos em ótimo estado e que possam realmente fazer a diferença em sua recuperação.  

Como são muitos casos e pontos a se atentar, é interessante estar cada vez mais por dentro desse assunto, ainda mais se você trabalha na área da saúde ou quer se tornar um doador frequente. Uma dica para isso é investir no Curso Online Qualidade e Eficiência na Coleta de Sangue - Noções Gerais, um dos melhores cursos à distância do nosso portal, que visa desmitificar muitos conceitos e abordar tudo que é essencial a essa ação, esclarecendo todas as dúvidas e mitos a respeito.

Agora que você já conhece os dados e sabe os parâmetros gerais da doação de sangue no Brasil, confira perguntas e respostas frequentes a respeito desse tema. Com certeza você irá se surpreender com diversas informações e esclarecer muitas questões!

Quais os benefícios da doação de sangue?

A nobreza desse ato garante que até 3 vidas sejam salvas. Uma bolsa de sangue convencional, com 450 ml (cerca de 10% que uma pessoa tem no corpo) não fará diferença nenhuma na saúde do doador, mas ajudará bastante um paciente que precisa desse componente para diversos tratamentos.

Portanto, desde que uma pessoa esteja apta ao procedimento, se tornar um voluntário frequente nessa ação é inspirador e mostra valores singelos de preocupação com o próximo. Pense que muitos bancos de sangue estão em apuros e precisam desse componente, já que não há substituto e a única forma de consegui-lo é por meio da boa vontade alheia. Não espere uma catástrofe acontecer para se conscientizar.

Doar sangue dói?

Não. Mesmo as pessoas mais sensíveis não sentem dor durante esse procedimento. Além disso, também não é algo que vicie, como muitos pensam. Trata-se de uma prática tranquila e sem problemas, ainda mais quando administrada por um bom profissional.

Quem tem pavor de sangue ou medo de agulha pode doar?

No primeiro caso, geralmente a bolsa de sangue não fica à vista do doador. Além disso, ele pode ficar em uma posição que evite o contato/visão com o componente. Já para quem tem medo de agulha vale a pena refletir sobre o ato, já que não vai doer nada e mostrará que o indivíduo tem a consciência de ajudar quem precisa. Nessa hora, buscar se distrair é uma dica que ajuda bastante!

É importante também que, ao lidar com essas situações, os profissionais de saúde conversem e orientem os voluntários sobre a importância da doação e como é o procedimento, para que não fiquem com receio e acabem desistindo. Saber as melhores maneiras de abordar é fundamental para que tudo corra bem, por isso, vale a pena estar sempre por dentro dessa pauta, buscando qualificação para ser um profissional de excelência.

A boa notícia é que vários cursos online com certificado ajudam nessa missão. Aqui no Foco Educação Profissional, por exemplo, há muitos cursos EAD na área de saúde que mostram todos os pontos necessários para se destacar no setor e garantir seu espaço, sendo um expert tanto na relação com os pacientes quanto com os colegas de profissão.

Onde eu posso doar sangue?

A doação de sangue é feita sempre em hospitais e hemocentros capacitados para tal ação. Em São Paulo, por exemplo, a Fundação Pró-Sangue é uma das organizações mais conhecidas, com postos espalhados por todas as regiões da capital. Já para buscar um local habilitado perto de sua casa, basta se informar no hospital mais próximo, fazer uma pesquisa online ou ligar no Disque Saúde, do Ministério da Saúde, pelo número 136.

Quanto tempo dura? Posso tirar um dia de folga para doar?

Considerando cadastro, triagem, entrevista, coleta e lanche, a prática dura de 40 minutos a 1 hora. O tempo depende muito de cada hemocentro, mas, em geral, não é demorado. Caso você trabalhe, pode solicitar um dia de folga para ir doar sangue e não ser descontado por isso.

A Lei 5452, da CLT (Consolidação das Leis de Trabalho) garante que os funcionários que estejam pelo menos 12 meses na empresa tenham um dia livre para exercer essa ação voluntária, comprovando posteriormente que a doação foi mesmo realizada.

É preciso ficar em jejum antes da doação?

Esse é o principal mito quanto aos requisitos para doar sangue. Você nunca deve estar jejum antes do processo. É indicado apenas não fumar cerca de duas horas antes, não ingerir bebidas alcoólicas nas últimas doze horas, evitar comer alimentos gordurosos e repousar bastante no dia anterior à doação. Com o fim da captação, o indivíduo recebe um lanche para que recupere as energias e possa ir embora tranquilamente do local.

Por que precisa de triagem e entrevista antes desse procedimento?

É padrão em todos os hemocentros verificar se o interessado se encaixa nos requisitos para a transfusão de sangue. Após um cadastro preliminar, alguns exames são feitos para verificar doenças patológicas, anemia, sorologia, além de uma entrevista curta para saber detalhes da vida/hábitos da pessoa. Todo esse processo é fundamental e deve seguir os princípios da legislação vigente que regulamenta a doação de sangue no Brasil.

O que é feito após a transfusão de sangue?

Após a transfusão de sangue é feita uma análise do material (hemácias, plaquetas, plasma) e, com tudo em perfeito estado, no dia seguinte a bolsa já é encaminhada para o paciente que mais necessita. Vale esclarecer que, quando não há sangue disponível, uma (ou várias) cirurgias podem ser canceladas, colocando a vida de vários enfermos em risco. Dentre os que precisam de sangue, estão pessoas que precisam passar por transplante de rins, fígado, medula óssea, procedimentos cardíacos, entre outros.

Outro ponto que pouca gente sabe é que as bolsas de sangue ficam armazenadas em uma geladeira especial e separadas especificamente, com validade padrão de 35 dias. No caso das plaquetas, porém, são apenas 5 dias para que o receptor receba. Logo, é extremamente importante se atentar a cada etapa para que nenhum erro aconteça.

Se você é enfermeiro ou profissional da área que lida ou tem planos de começar nesse ramo, é essencial saber como esse processo deve ser feito passo a passo. Ter excelência na profissão garante a manutenção de muitas vidas e, felizmente, você pode se qualificar com muitos materiais, como os cursos à distância, opções para estudar em casa e compreender toda a teoria para colocá-la em prática. Assim, fazendo cursos online, você fica com a noção perfeita e sabe como agir nesse e em diversos casos.

Todo o sangue doado é aceito?

Não necessariamente. Segundo Maria Angélica Soares, coordenadora do Hemocentro do Hospital São Paulo da UNIFESP, Universidade Federal do Estado de São Paulo, em entrevista ao site do médico Dráuzio Varella, muitas pessoas não se sentem seguras na entrevista e não tem plena certeza se seu sangue pode mesmo ser utilizado para transfusão.

É por isso que existe a auto-exclusão, um sistema em que a pessoa assinala um papel ou registra de forma eletrônica (ambos sigilosos) pedindo a exclusão de sua bolsa de sangue. Assim, não há exposição tanto do indivíduo quanto do profissional envolvido no caso, além de não ter riscos para um eventual paciente.

De quanto em quanto tempo eu posso doar sangue?

Homens podem doar sangue de dois em dois meses, mulheres de três em três meses, já idosos entre 60 e 65 anos, de seis em seis meses.

Existe um dia dedicado a essa ação?

O Dia Nacional do Doador de Sangue é comemorado dia 25 de novembro. Durante toda a semana desta data, tanto o Ministério da Saúde quanto entidades e secretarias de praticamente todas as cidades brasileiras realizam campanhas para informar e incentivar as pessoas a se tornaram doadores frequentes.

Doar sangue emagrece? Engorda?

É mito quanto dizem que a transfusão de sangue frequente engorda ou emagrece. Além disso, o sangue não fica mais ‘’fino’’ e nem mais ‘’grosso’’ após o processo. Seguindo todas as instruções de monitoramento, tudo corre bem e você não passa por nenhum risco.

Profissionais de saúde podem doar sangue?

Podem e devem! Desde que não haja nenhuma restrição, médicos, enfermeiros, funcionários e qualquer profissional da área podem doar sangue tranquilamente. E, melhor que isso, podem buscar cada vez mais aprendizado sobre essa prática tão nobre, ficando a par de tudo que compõe o processo, da triagem à coleta. 

Se você se encaixa nessa linha ou está estudando para compor esse cenário, pode entender todos os aspectos da doação de sangue fazendo cursos EAD. Essas alternativas qualificam de modo rápido e cômodo, já que você pode usar o tempo livre para pensar em sua formação e dar um passo além em sua carreira no mercado de trabalho. Lembre-se que o bom profissional é aquele que está antenado, atualizado e bem informado sempre!

Homossexuais podem doar sangue?

Por incrível que pareça, não. Homossexuais são definidos como pessoas com ‘’comportamento de risco’’ e são impedidos de doar sangue. Essa polêmica é base de muita discussão e ainda não está devidamente regulamentada pelos órgãos responsáveis. O que acontece é que muitos profissionais ainda associam homossexuais à promiscuidade e ao fato de serem o grupo mais propenso a contrair doenças sexualmente transmissíveis, o que não faz mais sentido hoje em dia, já que heterossexuais também estão inseridos nessa estatística.

Em todo caso, uma pessoa homosexual ao revelar sua orientação sexual, provavelmente não poderá fazer a doação de sangue, o que é considerado um absurdo por vários especialistas, como o Dr. Dráuzio Varella. No mais, é um paradigma que precisa de muitos debates e atos para que seja quebrado definitivamente.

Para isso, os profissionais da área que buscam acabar com esse preconceito podem alimentar a discussão no posto e na comunidade em que trabalham, para cobrar dos responsáveis medidas mais efetivas contra isso. Com a pressão popular e uma participação maior, é possível chegar a mudanças.

Imagine quantas vidas podem ser salvas caso grande parte dos homossexuais tornem-se potenciais doadores? Pois é. Comece lendo e se informando sobre essa pauta com alternativas e fontes confiáveis. Além de periódicos de especialistas a favor do tema, cursos online também abordam essa polêmica que pode acabar caso se use o bom senso. Que tal fazer a diferença?

Quais as principais restrições?

As restrições gerais, embora não façam sentido para homossexuais, são primordiais para outros grupos. Portanto, quem não pode doar sangue são grávidas e lactantes, portadores de doenças crônicas e infecciosas (hepatite, AIDS, sífilis, entre outras), com epilepsia ou asma, diabéticos, com menos de 50 kg, idade inferior a 16 anos ou superior a 69 anos, que passaram por transfusão de sangue ou grandes cirurgias.

Outros fatos que devem ser considerados é se a pessoa fez piercing ou tatuagem nos últimos 12 meses (já que esses procedimentos favorecem o aparecimento da hepatite), tem problema de tireoide, faz regimes violentos ou toma antibióticos.

Quais os desafios para a doação de sangue no Brasil?

São vários. Atingir boas porcentagens na doação de sangue por aqui ainda é um desafio em muitos contextos. O primeiro deles é a baixa taxa de conscientização, sobretudo entre as crianças. Muitas escolas não são incentivadas a montar e passar planos de educação aos mais jovens sobre a importância desse ato. Outro problema refere-se aos mitos e paradigmas. Muita gente acha que doar sangue deve ser visto como obrigação (se doou uma vez terá que doar sempre). Além disso, acreditam que é perigoso, que causa mal estar e até doenças.

A falta de estrutura também é um obstáculo. Muitos lugares não contam com materiais básicos para a coleta, bem como profissionais para uma orientação essencial aos interessados. Como sabemos, muitos hospitais e postos brasileiros estão um verdadeiro caos, com falta de uma série de recursos.

As normas e restrições também poderiam ser revistas, sobretudo quando se trata da doação de sangue por homossexuais. Já a divulgação e campanhas poderiam aumentar e se tornar parte da cultura de consciência da sociedade em si. Muita gente acha que poderia ser remunerada para realizar esse procedimento, o que é um absurdo. Logo, fazê-las entender o papel do doador é uma tática imprescindível.

Como inspirar as pessoas próximas a se tornarem doadores?

Pegando o gancho da última questão, quem entende e quer entrar nessa campanha para aumentar a doação de sangue em sua cidade e em todo o país em si, pode ajudar falando sobre o assunto com as pessoas mais próximas, explicando o quanto é importante e faz a diferença na vida de muitos enfermos. Um novo indivíduo que se torna um doador frequente já ajuda na luta e pode inspirar ainda mais gente, em uma corrente realmente traz benefícios para todos que dependem de sangue para sua recuperação.

Paralelo a isso, buscar meios para ficar por dentro desse tema também é interessante. Os cursos online com certificado, por exemplo, revelam dados fundamentais para todos os atuantes na área, estudantes e voluntários que visam uma formação de excelência e precisam se manter a par de tudo que é pertinente à doação de sangue, qualificados e prontos para compreender esse tema e até crescer em todo o setor da saúde.

Os certificados do Foco Educação Profissional podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Que tal fortalecer essa corrente?

Doar sangue é ato nobre e que não tem preço. Saber que você fez parte da recuperação de uma pessoa convalescente pode trazer uma enorme paz de espírito, e o que mais precisamos neste momento é de boas ações. Conheça, transmita e aja para fortalecer essa corrente e tornar as pessoas mais conscientes.

Além do Curso Online Qualidade e Eficiência na Coleta de Sangue, voltado especificamente para essa área, tanto para os especialistas do ramo quanto demais ingressantes, você pode fazer centenas de cursos EAD ligados à saúde e outros setores durante um ano e, melhor que isso, investindo um valor único que cabe no bolso! E temos uma super dica também: se você doou sangue nos últimos sessenta dias e enviar o comprovante para o nosso setor de atendimento, lhe daremos uma matrícula anual, sem mensalidades! Isso mesmo. Ajude a salvar vidas e nós do Foco Educação Profissional lhe daremos este presente.

Esse é o diferencial do Foco Educação Profissional, um portal inovador com um conteúdo exclusivo preparado por uma equipe pedagógica capacitada que inspira mais de 140 mil alunos. Você pode fazer quantos cursos quiser sem pagar nada por isso. Incrível, não é? Que tal se inscrever agora e começar a fazer os melhores cursos online com certificado do mercado?

Esperamos que você tenha gostado de saber mais sobre a doação de sangue com este artigo. Se tiver alguma dúvida, não deixe de comentar. Até mais!